BNCC – Base Nacional Comum Curricular: o que ensinar e por quê

As perguntas centrais da educação sempre foram as mesmas durante toda a História. Não é diferente após aprovação da BNCC: como devem ser educadas as pessoas em nossa sociedade? O que devem saber e para quê? Como conhecem? Como organizar a implementação da BNCC? Como avaliar se o que fazemos está dando certo? Como a escola deve pensar seu projeto político pedagógico? Como lidar com a formação do professor? Como implantar novas abordagens tecnológicas?

Lauri Cericato

É diretor editorial, educador, professor, consultor e palestrante na área de educação. Atua na área editorial ligada à educação básica há mais de 20 anos, com a responsabilidade de garantir a qualidade dos conteúdos, tanto para escolas particulares, quanto para escolas públicas. Atua na produção de livros didáticos, sistema de ensino, ELT – Inglês e ELE – Espanhol, livros digitais, apps e plataformas.

Agente articulador do processo pedagógico da escola.

Revisitar o PPP e verificar a tendência pedagógica registrada; compreender a coerência entre proposta educacional, concepção de educação/tendência pedagógica e práticas de ensino e avaliação; validar a proposta da escola quanto ao PPP.

Maria Isabel Alves Dumaresq

Pedagoga, Mestre em Bioética. Trabalha na área educacional há mais de 20 anos na coordenação pedagógica, orientação educacional e gestão escolar, onde atua nos últimos anos. Presta assessoria educacional em editoras. Uma eterna aprendiz!


Educação Inclusiva: Para quê? Para quem?

Discutir sobre a escola inclusiva e o processo de ensino e aprendizagem dos alunos com deficiência e sem deficiência e de distúrbios de aprendizagem pela ótica da cidadania global, plena, livre de preconceitos e que reconhece e valoriza as diferenças dentro e fora do contexto escolar.

Público-alvo: EI - FI

Salvador Barletta

Arte-educador; professor (Educação Infantil à Universidade); diretor e vice-diretor em escola particular; autor; editor; gestor de conteúdos; bolsista do CNPq (Mestrado em Educação e Letras); consultor do MEC/Bird; consultor e assessor em instituições, fundações, editoras e sistemas de ensino; autor de livros literários e didáticos para alunos com e sem deficiência; autor de projetos e programas de formação continuada para professores nas redes pública e privada; autor de projetos de arte, educação e cidadania para rede pública; elaborador de itens e provas para licitações (Prova Brasil, Ana e Provinha Brasil) e itens para professores do Ensino Fundamental; editor geral e autor de materiais didáticos de 1º ao 9º ano no J. Piaget Sistema de Ensino.

Mexendo e Remexendo para com o corpo aprender! Cantando e Brincando para com o corpo conhecer!

Desenvolvimento da descoberta do corpo com o propósito de refletir sobre o nível de complexidade desse processo durante a Educação Infantil.

Público-alvo: EI

Daniela Agustini

Professora de Educação Infantil há 22 anos. Professora no Colégio Piaget, formada em Pedologia e pós-graduada em Educação Especial, cursos de alfabetização, letramento e psicomotricidade. Ministra cursos no Interagir e na implantação do material didático.

Brincadeiras musicais: a música en(cantando) o brincar em todas as idades

Brincar de fazer música ou fazer música brincando? O que será mais divertido? Participar dessa oficina é descobrir que o universo do aprender musical se dá muito melhor quando a criança se diverte. Brincando, cantando, tocando, poderemos explorar as inúmeras possibilidades que a música tem de transformar o espaço pedagógico em uma encantadora casa do brincar. Ideal para os adultos que ainda possuem a sua criança interior bem acordada e mais ideal ainda para aqueles que querem despertar a sua.

Público-alvo: EI

Danilo Borges

Compositor e regente formado pela Universidade Estadual Júlio de Mesquita Filho (Unesp), violonista erudito formado pelo Conservatório Musical André da Silva Gomes, pós-graduado em Musicoterapia Organizacional e Hospitalar pela FMU. Leciona em escolas há mais de 15 anos e é professor de violão, musicalização infantil e educação musical do Colégio Piaget desde 2004. É realizador do projeto musical “Dança das Águas”, trabalho que vem sendo utilizado por diversos terapeutas como um potente auxiliar para a busca de uma reabilitação da saúde mental, física e psicológica. Atualmente, é pós-graduando em Pedagogia Waldorf.

A percepção da geometria e a interdisciplinaridade da Educação Infantil.

Desenvolver a percepção das formas e do espaço de maneira criativa e divertida. São mais de 20 ideias que podem ser introduzidas nos diversos campos de experiência a serem trabalhados na Educação Infantil.

Público-alvo: EI

Eliane Ciscato

Formada em Educação Artística com habilitação em Artes Plásticas pela Faculdade de Belas Artes do Estado de São Paulo. Pedagoga formada pela FAPI - Faculdade de Pinhais. Fez diversos cursos na área artística, como: pintura e desenho, pintura em tela e em mármores, découpage, stucco, pátina. Participou de programas de tevê apresentando técnicas de pinturas especiais. Atualmente, é professora de Arte e Desenho Geométrico e autora do material de Desenho Geométrico do J. PIAGET – Sistema de Ensino.

Campos de experiências na Educação Infantil: jogar, brincar, criar e experimentar como forma de educar.

Tratar do trabalho com os campos de experiências propostos na BNCC, isto é, as diferentes linguagens e conteúdos de conhecimento que indicam o que o professor deve procurar atingir com seus objetivos ao planejar as atividades. Com os campos de experiências, as crianças podem se expressar e interagir com situações que permitem exploração, pesquisa, imaginação, movimento etc. Os participantes devem vir com roupas confortáveis e tênis.

Público-alvo: EI

Fernanda Sona

Graduada em Pedagogia e pós-graduada em Educação Infantil, ministra aulas no Colégio Piaget e na Prefeitura de Santo André para a Educação Infantil e o Ensino Fundamental I. Realiza palestras, oficinas pedagógicas e cursos de capacitação e formação continuada em escolas públicas e particulares.

Alfabetização e letramento: conceitos práticos vinculados à teoria

Propiciar uma reflexão nos processos de aprendizagem na construção da escrita pela criança, baseado na psicogênese da Língua escrita. Entre outros materiais de estudo e reflexão, por meio do PROFA (Programa de Formação de Professores Alfabetizadores) produzido pelo MEC. Proporcionar a aprendizagem de teoria e práticas significativas sobre alfabetização e letramento, que favoreçam a criação de ambientes e atividades estimuladoras. Dessa maneira, promover o desenvolvimento das habilidades de leitura e escrita.

Público-alvo: EI - 1º e 2º anos - FI


Fátima Chiapetta

É graduada em Pedagogia e pós-graduada em Psicopedagogia e Psicodrama. Já atuou como coordenadora pedagógica em todos os níveis de ensino, da Educação Infantil até o Ensino Médio. Também é professora universitária de temas como: “Como elaborar projetos sociais” e “Ética e cidadania”. Além disso, ministra palestras e cursos em editoras e realiza assessoria pedagógica em diversas escolas. Atualmente, é orientadora educacional no Colégio Piaget, da Educação Infantil ao Ensino Médio.


Alfabetização e práticas literárias - Quem, como, quando, onde e por quê?

Refletir, junto ao educador, sobre suas práticas de alfabetização em sala de aula por meio da leitura de livros para os alunos, ajudando-o a perceber o quanto essa poderá ser prazerosa e, dessa forma, motivadora na formação de leitores competentes.


Os participantes devem vir com roupas confortáveis e tênis.

Público-alvo: EI - FI

Lílian Paula Malavolta A. de Mônaco

Formada em Psicologia pela UMESP e Pedagogia pela FASB, pós-graduanda em Alfabetização e Letramento pela UMESP. Desenvolveu trabalhos relacionados a portadores de necessidades educacionais especiais em processo de alfabetização.

Aprendizagem, desaprendizagem e reaprendizagem de hábitos do professor em sala de aula.

Hábitos são como aprendizagens automatizadas, enraizadas em nosso cotidiano que se alimentam das nossas mais profundas crenças. Para levar o aluno a "aprender a aprender", precisamos desaprender nosso antigo modelo de ensinar.

Público-alvo: EI - FI

Neide Aprile

Psicóloga clínica e escolar com especialização em Psicodrama. Já trabalhou como orientadora educacional e como autora dos Temas Transversais para o material didático do J. PIAGET – Sistema de Ensino. Ministra palestras sobre diversos temas relacionados à educação em todo o Brasil.




Cocriação, o segredo de uma aula motivadora e criativa.

Contribuir no desenvolvimento do senso criativo para solução de problemas e conflitos, que é importante não só para a vida escolar, mas também para a vida pessoal e profissional.

Público-alvo: EI - FI

Patrícia Montezano

Jornalista, pedagoga, editora, autora de materiais didáticos e conteúdos pedagógicos para a Educação Básica e formadora de professores. Professora de Língua Portuguesa, especializada em alfabetização, educomunicação e Mestre em Educação pela Universidade de São Paulo. Experiência docente e de gestão em escolas, universidades e cursos livres nas áreas de desenvolvimento de processos criativos, BNCC e práticas na Ed. Infantil e EF1, gestão pedagógica, educacional e protagonismo docente. Há 3 anos participa regularmente de intercâmbios e estudos sobre criatividade em universidades e escolas de Educação Básica na América do Sul e Europa, como a Universidade de Buenos Aires, UBA, Universidade do Chile USACH, Instituto Lumière e Universidade de Lyon, na França e Universidade Autônoma de Madrid, UAM.

O trabalho com crianças com TDAH e a aprendizagem

Conceituar o Transtorno de Déficit de Atenção e Hiperatividade, conhecer os fatores neurobiológicos que levam a criança com TDAH a apresentar dificuldades de aprendizagem e ainda buscar estratégias de ensino-aprendizagem para colaborar com o desenvolvimento global do aluno. A proposta vai ao encontro dos direitos de aprendizagem presentes na Base Nacional Comum Curricular.

Público-alvo: EI - FI

Joice Góe

Pedagoga, Psicopedagoga e Especialista em Educação Especial. Atuou em escolas privadas e municipais de Educação Especial em São Bernardo do Campo e realizou atendimentos educacionais especializados na perspectiva da Educação Inclusiva. Hoje atua com Educação na Prefeitura Municipal de Santo André, como Psicopedagoga nas Clínicas Saúde Integrada em São Bernardo do Campo, na Integrare em São Caetano do Sul e na empresa Personal Trainer For Kids em São Paulo.

Do abstrato ao concreto: vivenciando e aprendendo.

Promover atividades que proporcionem novas possibilidades de aprendizagens para potencializar o processo de ensino e aprendizagem.

Público-alvo: EI - FI

Everton Rodrigues

Graduado em Educação Física, MBA em Gestão Escolar e Administração e Marketing Esportivo, Practitioner em Programação Neurolinguística, especialização em Gestão de Pessoas e Metodologia da Iniciação ao Treinamento do Futebol e Futsal, autor do livro FUTEBOL: História, Técnicas e Treino de Goleiros. Coordenador de Esportes do Colégio Piaget e palestrante nas áreas de psicomotricidade, neurociência da aprendizagem, comunicação efetiva e a importância do esporte como ferramenta de ensino.

Estratégias para o desenvolvimento de habilidades socioemocionais na sala de aula.

Colocar-se no lugar do outro, empregar práticas colaborativas e exercitar o diálogo são algumas das habilidades que precisam ser ensinadas na escola. Estimular habilidades socioemocionais tem sido uma das práticas importantes a ser desenvolvida pelos professores em sala de aula desde cedo. De forma fácil e acessível, a oficina tem por objetivo preparar os educadores para desenvolver essas habilidades, oferecendo estratégias diferenciadas e exemplos práticos.

Público-alvo: FI

Varluce Manfrinato

Graduada em Pedagogia. Foi professora da Educação Básica em escolas públicas e particulares. Atualmente, é orientadora pedagógica do Ensino Fundamental I do Colégio Piaget. Realiza palestras, oficinas pedagógicas e cursos de capacitação e formação continuada pela editora J. PIAGET.

Práticas de linguagem contemporâneas: os gêneros digitais.

“As práticas de linguagem contemporâneas não só envolvem novos gêneros e textos cada vez mais multissemióticos e multimidiáticos, como também novas formas de produzir, de configurar, de disponibilizar, de replicar e de interagir” (BNCC, 2017). Para essa oficina, objetivamos o trabalho com alguns gêneros e textos da cultura digital de forma a ampliar a compreensão e a possibilitar uma participação mais qualificada do ponto de vista ético, estético e político nas práticas de linguagem.

Público-alvo: FI

Elaine Giomo

Graduada em Letras Português/Inglês pela FFCL da Fundação Santo André e pós-graduada em Crítica Literária pela PUC-SP. Atuou como professora dos Ensinos Fundamental e Médio no Colégio Piaget e como autora de material didático de Língua Portuguesa. Atualmente, é palestrante do J. PIAGET – Sistema de Ensino.

OS DESAFIOS DA LEITURA E O RESGATE DA FUNÇÃO SOCIAL DA LÍNGUA ESCRITA.

Propiciar aos professores envolvidos reflexões e práticas que despertem novos saberes relacionados à formação de leitores e ao resgate da função social da língua escrita.

Público-alvo: FI

Débora Marreiro

Pedagoga, pós-graduada em Terapia Comunitária e Educação a Distância, Especialista em Alfabetização e Letramento, coordenadora pedagógica em Santos. Atua com formação de professores em especializações, coordenou a Educação Integral no município e atualmente, organiza ações formativas em entidades municipais. Autora do livro: "Educação Integral - a relevância da avaliação e do monitoramento".