BNCC – Base Nacional Comum Curricular: o que ensinar e por quê

As perguntas centrais da educação sempre foram as mesmas durante toda a História. Não é diferente após aprovação da BNCC: como devem ser educadas as pessoas em nossa sociedade? O que devem saber e para quê? Como conhecem? Como organizar a implementação da BNCC? Como avaliar se o que fazemos está dando certo? Como a escola deve pensar seu projeto político pedagógico? Como lidar com a formação do professor? Como implantar novas abordagens tecnológicas?

Lauri Cericato

É diretor editorial, educador, professor, consultor e palestrante na área de educação. Atua na área editorial ligada à educação básica há mais de 20 anos, com a responsabilidade de garantir a qualidade dos conteúdos, tanto para escolas particulares, quanto para escolas públicas. Atua na produção de livros didáticos, sistema de ensino, ELT – Inglês e ELE – Espanhol, livros digitais, apps e plataformas.

Músicas da tradição oral na Educação Infantil

O objetivo dessa oficina é desenvolver um olhar diferenciado em relação às novas propostas da Base Nacional Comum Curricular, que propõem que a criança vivencie as diferentes formas de brincar e aprender por meio das músicas da tradição popular. Com isso, ela poderá se comunicar com o mundo, ampliar seu repertório de palavras e conhecer seu próprio corpo. A utilização da música como recurso pedagógico ajuda a afinar a sensibilidade das crianças, aumenta a capacidade de concentração, desenvolve o raciocínio lógico-matemático e a memória, além de ser uma forte desencadeadora de emoções.


Daniela Agostini

Professora de Educação Infantil formada em Pedagogia e pós-graduada em Educação Especial. Já atuou na área de Coordenação Pedagógica e, atualmente, ministra aulas na Educação Infantil do Colégio Piaget.

Brincadeiras musicais: a música en(cantando) o brincar em todas as idades

Brincar de fazer música ou fazer música brincando? O que será mais divertido? Participar dessa oficina é descobrir que o universo do aprender musical se dá muito melhor quando a criança se diverte. Brincando, cantando, tocando, poderemos explorar as inúmeras possibilidades que a música tem de transformar o espaço pedagógico em uma encantadora casa do brincar. Ideal para os adultos que ainda possuem a sua criança interior bem acordada e mais ideal ainda para aqueles que querem despertar a sua.

Danilo Borges

Compositor e regente formado pela Universidade Estadual Júlio de Mesquita Filho (Unesp), violonista erudito formado pelo Conservatório Musical André da Silva Gomes, pós-graduado em Musicoterapia Organizacional e Hospitalar pela FMU. Leciona em escolas há mais de 15 anos e é professor de violão, musicalização infantil e educação musical do Colégio Piaget desde 2004. É realizador do projeto musical “Dança das Águas”, trabalho que vem sendo utilizado por diversos terapeutas como um potente auxiliar para a busca de uma reabilitação da saúde mental, física e psicológica. Atualmente, é pós-graduando em Pedagogia Waldorf.

A percepção da geometria e a interdisciplinaridade na Educação Infantil

O objetivo dessa oficina é desenvolver a percepção das formas e do espaço de maneira criativa e divertida. São mais de 20 ideias que podem ser introduzidas nos diversos campos de experiência a serem trabalhados na Educação Infantil.

Eliane Ciscato

Formada em Educação Artística com habilitação em Artes Plásticas pela Faculdade de Belas Artes do Estado de São Paulo. Pedagoga formada pela FAPI - Faculdade de Pinhais. Fez diversos cursos na área artística, como: pintura e desenho, pintura em tela e em mármores, decoupage, stuccos, pátina. Participou de programas de tevê apresentando técnicas de pinturas especiais. Atualmente, é professora de Arte e Desenho Geométrico e autora do material de Desenho Geométrico do J. PIAGET – Sistema de Ensino Multimídia.

Alfabetização e letramento: conceitos práticos vinculados à teoria

O curso propicia uma reflexão sobre os processos de aprendizagem na construção da escrita pela criança, baseado na psicogênese da linguagem escrita. Utiliza materiais como o PROFA (Programa de Formação de Professores Alfabetizadores), produzido pelo MEC. Esse curso também proporciona a aprendizagem de teorias e práticas significativas sobre alfabetização e letramento, que favorecem a criação de atividades e ambientes estimuladores, permitindo o desenvolvimento das habilidades de leitura e escrita da criança.

Os participantes devem vir com roupas confortáveis, trazer sucatas em geral (pote de iogurte, garrafa PET, etc.) e um objeto que inicie com cada letra que compõe o próprio nome (primeiro nome).

Oficina destinada a educadores da Educação Infantil ao 2o ano.

Fátima Chiapetta

É graduada em Pedagogia e pós-graduada em Psicopedagogia e Psicodrama. Já atuou como coordenadora pedagógica em todos os níveis de ensino, da Educação Infantil até o Ensino Médio. Também é professora universitária de temas como: “Como elaborar projetos sociais” e “Ética e cidadania”. Além disso, ministra palestras e cursos em editoras e realiza assessoria pedagógica em diversas escolas. Atualmente, é orientadora educacional no Colégio Piaget da Educação Infantil ao Ensino Médio.



Campos de experiências na Educação Infantil: jogar, brincar, criar e experimentar como forma de educar

O objetivo da oficina é tratar do trabalho com os campos de experiências propostos na BNCC, isto é, as diferentes linguagens e conteúdos de conhecimento que indicam o que o professor deve procurar atingir com seus objetivos ao planejar as atividades. Com os campos de experiências, as crianças podem se expressar e interagir com situações que permitem exploração, pesquisa, imaginação, expressão, movimento, etc.


Os participantes devem vir com roupas confortáveis e tênis.


Fernanda Sona

Graduada em Pedagogia e pós-graduada em Educação Infantil, ministra aulas no Colégio Piaget e na Prefeitura de Santo André para a Educação Infantil e o Ensino Fundamental I. Realiza palestras, oficinas pedagógicas e cursos de capacitação e formação contínua em escolas públicas e particulares.

O trabalho com crianças com TDAH e a aprendizagem

A oficina tem o objetivo de conceituar o Transtorno de Déficit de Atenção e Hiperatividade, conhecer os fatores neurobiológicos que levam a criança com TDAH a apresentar dificuldades de aprendizagem e ainda buscar estratégias de ensino-aprendizagem para colaborar com o desenvolvimento global do aluno. A proposta vai ao encontro dos direitos de aprendizagem presentes na Base Nacional Comum Curricular.

Joice Góe

Pedagoga, psicopedagoga e especialista em Educação Especial com ênfase em Deficiência Intelectual. Atuou em escolas privadas e municipais de Educação Especial em São Bernardo do Campo. Hoje, atua com Educação Especial na Perspectiva Inclusiva no Atendimento Educacional Especializado em Santo André e como psicopedagoga clínica em São Bernardo do Campo.

As competências socioemocionais: quais são, como e por que devem fazer parte do currículo da escola

A formação do ser humano vai muito além do conhecimento de conteúdos. Nos últimos anos, o desenvolvimento das competências socioemocionais mostrou-se imprescindível para que os alunos tenham uma formação mais completa. O objetivo dessa oficina é dar elementos ao professor para trabalhar essas competências, previstas na Base Nacional Comum Curricular.

Neide Aprile

Psicóloga clínica e escolar com especialização em Psicodrama. Já trabalhou como orientadora educacional e como autora dos Temas Transversais para o material didático do J. PIAGET – Sistema de Ensino Multimídia. Ministra palestras sobre diversos temas relacionados à educação em todo o Brasil.

A importância do processamento auditivo para o desempenho escolar

O objetivo dessa oficina é abordar questões conceituais relacionadas ao processamento auditivo, descrição do exame de processamento, interpretação dos resultados e estratégias em sala de aula.

Simone Cucolicchio

Fonoaudióloga clínica, especialista em Neuroeducação. Realiza trabalhos específicos, como o Aprimoramento em Processamento Auditivo Central e Assessoria Fonoaudiológica na Educação Infantil e no Ensino Fundamental I.

A influência da psicomotricidade no processo de aprendizagem: vivências psicomotoras na Educação Infantil

A psicomotricidade é uma ciência da saúde e educação que contempla as áreas cognitivas, emocionais e motoras durante todo o desenvolvimento humano. É na Educação Infantil que o desenvolvimento de algumas habilidades tem o papel primordial no processo de toda a aprendizagem. É essencial que o professor ofereça atividades adequadas para cada etapa do desenvolvimento, baseando-se no modelo luriano do cérebro, em seus neuroblocos funcionais e nos aspectos científicos da psicomotricidade.

Taína Furlan

Graduada em Pedagogia pela UMESP (Universidade Metodista de São Paulo), pós-graduada em Psicomotricidade pelo ISPE/GAE, especialista internacional em Ciências e Técnicas Corporais pela Organisation Internationale de Psychomotricité et Relaxation (OIPR Paris/França). Realizou cursos como Aperfeiçoamento em Neuroaprendizagem pela Faculdade de Medicina do ABC e Programa Modificabilidade Cognitiva Estrutural de Reuven Feurstein – PEI I (Centro Brasileiro de Modificabilidade Cognitiva). Está cursando Neuropsicopedagogia na UNIP. Além disso, tem experiência como professora de Educação Infantil e Ensino Fundamental I. Possui também experiência na área clínica com Distúrbios de Desenvolvimento, Distúrbios de Aprendizagem e Dificuldades de Aprendizagem.

Mediador de leitura: cativar para formar leitores

O objetivo é refletir sobre o trabalho de um mediador de leitura e como ele poderá aumentar o repertório dos leitores iniciantes, gerando condições e criando um ambiente que estimule a articulação entre informações, mesmo que esse leitor seja ainda um bebê. A leitura permite transformar nossa visão do mundo, reavaliar nossos sentimentos e emoções, encontrar respostas para nossos conflitos, conhecer novos mundos, viajar no tempo, conhecer culturas e civilizações. Possibilitar que o leitor descubra esse poder que vem dos livros é um desafio constante, pois formar bons leitores significa, antes de tudo, motivar, encantar, despertar a vontade de visitar histórias e outras histórias, abrindo portas para o autoconhecimento e para a compreensão do outro.


Oficina destinada a educadores da Educação Infantil ao 2o ano.

Lílian Paula Malavolta A. de Mônaco

Formada em Psicologia pela UMESP e Pedagogia pela FASB, pós-graduanda em Alfabetização e Letramento pela UMESP. Desenvolveu trabalhos relacionados a portadores de necessidades educacionais especiais em processo de alfabetização.




Reconhecendo o valor da mudança: adapte-se ao futuro!

O mundo está vivendo transformações cada vez maiores e mais rápidas, a dinâmica do conhecimento não tem mais espaço para o “deixar para depois”. Nessa oficina, faremos uma reflexão sobre a importância da adaptação às novas formas de lidar com as mudanças, trabalhando a conscientização, ferramentas de coaching e exercícios práticos.

Alexandre Giomo

Atuou como professor universitário nos cursos de graduação da Faculdade de Interação Americana na cadeira de Administração com ênfase em Marketing e Negócios. Possui MBA em Gestão de Pessoas e em Marketing pela FGV e é especialista na ferramenta DISC/VALORES pela Success Tools & Coach, formado pela Sociedade Brasileira de Coaching. Atualmente, é proprietário da Evolution Training & Coaching. Atua como facilitador em projetos corporativos de Desenvolvimento de Líderes e Equipes, Gestão e Diagnóstico de Clima Organizacional, com metodologia própria no desenvolvimento de fatores e indicadores, na implantação e orientação de gestão por competências e na avaliação de desempenho. Atua também como gerente comercial da editora J. PIAGET – Sistema de Ensino Multimídia.

Desenvolvendo habilidades cognitivas no Ensino Fundamental I

O objetivo dessa oficina é desenvolver o olhar do professor para o trabalho de exercícios com resolução de problemas lógicos para o Ensino Fundamental I.

Carlos Motta

Professor de Filosofia na FAPCOM – Faculdade Paulus de Comunicação. É doutor em Filosofia pela PUC-SP, mestre em Filosofia pela PUC-RJ, graduado em Filosofia pela Universidade Metodista de São Paulo. Foi professor de Filosofia da PUC-SP, professor de Pós-Graduação lato sensu em Filosofia Contemporânea e História na Universidade Metodista de São Paulo. Atualmente, é pesquisador no grupo de pesquisa “Perspectivas Críticas da Filosofia Contemporânea” na Universidade Federal do ABC. Tem experiência na área de Filosofia com ênfase em Teoria do Conhecimento, Filosofia Moderna e Filosofia da Ciência, atuando principalmente nos seguintes temas: conhecimento, lógica, indução, ciência, causação e racionalidade e nas interfaces entre filosofia e educação. É autor de Introdução à Epistemologia de Francis Bacon, publicado pela Editora Nova Harmonia.

Trabalhando jogos matemáticos no Ensino Fundamental I

Nesse encontro, discutiremos como os jogos podem auxiliar nas aulas de Matemática e de que forma podemos utilizá-los como ferramenta no aprendizado significativo dos alunos. Vamos criar, brincar, discutir e ressignificar alguns jogos, conversando sobre como utilizá-los em aula e de que forma os conteúdos matemáticos pertinentes à BNCC podem ser atendidos de maneira lúdica e criativa.

Deivid Cezário

Graduado em Matemática pela UMESP – Universidade Metodista de São Paulo, Especialista em Educação para o Ensino Superior, Mestre em Matemática Profissional pela UFABC – Universidade Federal do ABC (programa PROFMAT). Assessor pedagógico em matemática e práticas pedagógicas, atuando diretamente nas escolas junto aos coordenadores pedagógicos e auxiliando os professores na preparação e execução de suas aulas. Professor de Ensino Fundamental II pela prefeitura municipal de São Caetano do Sul. Professor em cursinho preparatório pré-vestibulinho da região do ABC.


Práticas de linguagem contemporâneas: os gêneros digitais

“As práticas de linguagem contemporâneas não só envolvem novos gêneros e textos cada vez mais multissemióticos e multimidiáticos, como também novas formas de produzir, de configurar, de disponibilizar, de replicar e de interagir” (BNCC, 2017). Para essa oficina, objetivamos o trabalho com alguns gêneros e textos da cultura digital de forma a ampliar a compreensão e a possibilitar uma participação mais qualificada do ponto de vista ético, estético e político nas práticas de linguagem.

Elaine Giomo

Graduada em Letras Português/Inglês pela FFCL da Fundação Santo André e pós-graduada em Crítica Literária pela PUC-SP. Atuou como professora dos Ensinos Fundamental e Médio no Colégio Piaget e como autora de material didático de Língua Portuguesa. Atualmente, é palestrante do J. PIAGET – Sistema de Ensino Multimídia.

Mediador de leitura: cativar para formar leitores

O objetivo é refletir sobre o trabalho de um mediador de leitura e como ele poderá aumentar o repertório dos leitores iniciantes, gerando condições e criando um ambiente que estimule a articulação entre informações, mesmo que esse leitor seja ainda um bebê. A leitura permite transformar nossa visão do mundo, reavaliar nossos sentimentos e emoções, encontrar respostas para nossos conflitos, conhecer novos mundos, viajar no tempo, conhecer culturas e civilizações. Possibilitar que o leitor descubra esse poder que vem dos livros é um desafio constante, pois formar bons leitores significa, antes de tudo, motivar, encantar, despertar a vontade de visitar histórias e outras histórias, abrindo portas para o autoconhecimento e para a compreensão do outro.


Oficina destinada a educadores da Educação Infantil ao 2o ano.

Lílian Paula Malavolta A. de Mônaco

Formada em Psicologia pela UMESP e Pedagogia pela FASB, pós-graduanda em Alfabetização e Letramento pela UMESP. Desenvolveu trabalhos relacionados a portadores de necessidades educacionais especiais em processo de alfabetização.




A produção do discurso oral no contexto escolar: o planejamento e o processo de ensino-aprendizagem das situações comunicativas

Na oficina proposta, exploraremos todas as etapas do processo de produção do discurso oral na escola, refletindo sobre a importância da construção das condições didáticas para o desenvolvimento dessa habilidade, que se ensina, que se aprende, que se constrói coletiva e gradativamente, das séries iniciais às finais. Principalmente, exploraremos a necessidade da criação de um percurso de autoria que possibilite o desenvolvimento dos alunos como produtores orais competentes, que compreendam, reflitam e produzam textos e alcancem êxito ao expor seus produtos.

Vivian M. Marcondes

Mestra em Linguística Aplicada e Estudos da Linguagem (PUC-SP); pós-graduada em Fundamentos do Ensino da Matemática (Mathema); pós-graduada em Psicopedagogia (Universidade Metodista); graduada em Pedagogia. Atuante há 22 anos como professora em escolas das redes particular e pública de São Paulo. Formadora de professores em cursos de extensão universitária oferecidos pela COGEAE-PUC.

Alfabetização e letramento: conceitos práticos vinculados à teoria

O curso propicia uma reflexão sobre os processos de aprendizagem na construção da escrita pela criança, baseado na psicogênese da linguagem escrita. Utiliza materiais como o PROFA (Programa de Formação de Professores Alfabetizadores), produzido pelo MEC. Esse curso também proporciona a aprendizagem de teorias e práticas significativas sobre alfabetização e letramento, que favorecem a criação de atividades e ambientes estimuladores, permitindo o desenvolvimento das habilidades de leitura e escrita da criança.

Os participantes devem vir com roupas confortáveis, trazer sucatas em geral (pote de iogurte, garrafa PET, etc.) e um objeto que inicie com cada letra que compõe o próprio nome (primeiro nome).

Oficina destinada a educadores da Educação Infantil ao 2o ano.

Fátima Chiapetta

É graduada em Pedagogia e pós-graduada em Psicopedagogia e Psicodrama. Já atuou como coordenadora pedagógica em todos os níveis de ensino, da Educação Infantil até o Ensino Médio. Também é professora universitária de temas como: “Como elaborar projetos sociais” e “Ética e cidadania”. Além disso, ministra palestras e cursos em editoras e realiza assessoria pedagógica em diversas escolas. Atualmente, é orientadora educacional no Colégio Piaget da Educação Infantil ao Ensino Médio.